FabLabs ganham a mídia, sendo matéria do Fantástico. A Bolha, pioneira no assunto, ajuda a explicar os meandros do Movimento Maker.

 

Demorou, mas o Movimento Maker ganhou a grande mídia. Além da prefeitura de São Paulo ter começado a abrir 12 FabLabs na cidade, uma série de matérias no Fantástico, programa dominical da Rede Globo, vem falando sobre esse tipo de espaço e mostrando alguns aspectos da nova revolução industrial. Termos, produtos e conceitos como Arduino, Raspberry Pi, impressão 3D e FabLabs começam a ser passados ao grande público, trazendo uma boa oportunidade para difundi-los.

A Bolha é pioneira nessa área, tendo criado seu hackerspace em 2011, para auxiliar no desenvolvimento de seus projetos. Em 2014, ela abriu o espaço para cursos, visitações e co-criações com clientes e parceiros. “Decidimos criar um lugar para testar a viabilidade de ideias da melhor maneira Maker”, diz Nagib Nassif Filho, Fundador e Diretor Executivo da Bolha,

“Achamos importante explicar didaticamente os conceitos diferentes dos espaços Maker, para o público não se confundir com termos como hackerspace, makerspace e FabLab, que aparentemente são a mesma coisa. Mas não são”” diz Nagib.

Essas são as definições de cada tipo de espaço:

HackerSpace

Quando o termo foi criado, na Alemanha na decada de 90, designava um local para reunião de programadores. Logo começou a adicionar outros interesses, como desenvolvimento de equipamentos, prototipagem e manipulação de circuitos eletrônicos. A ideia é resgatar o termo Hacker, que originalmente  representava alguém que modificava software e hardware para que ele fizesse algo para o qual não havia sido programado, mas que virou sinônimo de invasor de sistema. Geralmente, é mantido por seus membros que pagam algum tipo de taxa para participar.

MakerSpace

Criação da revista “Make”, a bíblia do movimento. Serve para identificar locais publicamente acessíveis para criar protótipos e projetos. Uma espécie de oficina aberta que pode conter desde ferramentas tradicionais como tornos e furadeiras até equipamentos ligados à cultura Maker como placas arduíno e impressoras 3D.

FabLab

Plataforma para inovação e invenção nascida em 2005 no Centro para Bits e Átomos (CBA) do MIT. Hoje já são mais de 450 FabLabs distribuídos por 60 países. Para ser considerado um FabLab, um MakerSpace precisa obedecer a certas regras como:

– Abrir as portas gratuitamente à comunidade pelo menos uma vez por semana,

– Compartilhar ferramentas e processos com outros FabLabs

– Possuir pelo menos cinco máquinas específicas: impressora 3D, cortadora a laser, cortadora de vinil, fresadoras de pequeno e grande formato

 

Bolha é um estúdio de tecnologia criativa que fornece serviços e produtos relacionados a Realidade Virtual, instalações digitais,  Internet of Things, wearables e impressão 3D. Tem entre seus clientes algumas das maiores agências de publicidade do país e empresas de vários setores como automotivo, saúde, bebida e alimentação.

 

Mais Informações

Heinar Maracy

heinar.maracy@bolha.com.br

11 3805-0538